Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

17 de mar de 2011

5ª Proposta – Poesia Erótica – entregar até 06 de abril de 2011

Erotismo
O escritor Glauco Mattoso, autor de mais de 3 mil sonetos, é mestre em abordar, em seus escritos, tudo o que há de escatológico, grotesco e violento na sociedade, escancarando muito de suas disposições próprias sadomasoquistas e outras taras sexuais. Para Glauco, o higiênico – com tudo o que envolve, os odores corporais, a micção e a defecação – ainda é tabu na sociedade. O aparelho genital, relacionado a esses processos de higiene, está também ligado ao sexo, o que invariavelmente acaba fazendo a atividade sexual ser encarada como algo sujo, pecaminoso. 'Isso faz parte da cultura humana. Na sociedade tecnológica, a gente apenas tenta disfarçar esses tabus', afirma. E completa: 'O que eu faço na minha literatura é uma denúncia da violência, mas estabeleço um caráter muito ambíguo, existe uma dubiedade forte, porque a literatura permite isso e termino por mexer com as pessoas'.
Ao invadir a seara dos tabus, medos e preconceitos humanos, a própria literatura se questiona sobre seus limites – fortemente marcados pela subjetividade. Em entrevista por e-mail, a autora de Diana Caçadora, Márcia Denser, aponta delimitações que tentam clarear um pouco mais essa linha tênue entre o erótico e o pornográfico. 'O pornográfico tem como objetivo manipular e excitar o leitor propositalmente, o erótico não. O pornográfico não tem qualidade estética, o erótico é seu oposto, assim é que: o erótico areja, o pornográfico aumenta a sujeira. E o leitor sensível intui isso, ainda que não saiba explicar racionalmente', afirma.
Helder Bentes




A Literatura Erótica
por Danilo Corci
O erotismo literário, entendido como uma exaltação do gosto sensual até o ponto de excitar o instinto de volúpia dos leitores, inclui uma variedade de estilos, temas, motivação e várias poéticas, como na literatura em geral. Não se trata somente de um estilo puramente comercial, como as mentes mais tacanhas pensam.
Muitas das grandes obras da literatura erótica resultaram em prisão, tormento e até mesmo em morte para os autores. Em outros casos, apenas poucos exemplares restaram. Em geral, a cópia do autor. Um exemplo é Minha Vida Secreta, de Henry Spencer Ashbee, um comerciante britânico burguês, que viajou pela Europa, Ásia e África. No livro, ele descreve a moral e os costumes de 2500 mulheres de todos os países em que esteve e com as quais manteve relações sexuais. Porém, este catálogo incrível de aventuras carnais, como a maioria da literatura erótica, aponta o mito, inventa, deforma e exagera. Como Pierre Louys, famoso escritor francês do Século 19, que escreveu uma obra secreta de obscenidade incrível, e que só foi conhecida após sua morte.
Boa parte da literatura erótica, sobretudo as melhores obras, se comporta como uma válvula de satisfação do plano imaginário do autor e se extende ao leitor quando o texto tem uma beleza expressiva e estética. Neste sentido, poderíamos perguntar: O erotismo é um adestramento dos impulsos? É uma poética em si própria? Ainda mais quando o sagrado, o oculto estão em jogo? Frente ao erótico e frente ao poético, encontramos com o rubor do sentir, manejados por algo que ignoramos, que se aproveitará de nosso desejo do saber inesgotável...
As duas forças, opostas em poder, permanecem nas sombras e nossa luta consiste em buscar a dominação de ambas, mas nem mesmo assim encontraremos repouso. Se o erotismo é a fascinação que o imaginário produz, e a construção de um poema erótico é agregar a poética ao imaginário, me atreveria a dizer que o erótico e o poético, em suas finalidades, admitem até as névoas místicas de São João da Cruz e também a lascívia de Marquês de Sade, aquilo que vai de um extremo ao outro, entre a destreza do domínio e a urgência dos corpos, como definiu o filósofo francês Daniel Gilleuse.
No emblemático livro A História da Literatura Erótica, Alexander Ruffs usa uma metodologia adequada, cronológica, para conduzir a arte erótica desde a antiguidade aos autores contemporâneos. Em seu prefácio, afirma que a literatura erótica tem como objetivo reafirmar os desejos da carne.
O erotismo, ao se manifestar em novelas, contos, poemas, teatro e até mesmo em panfletos, traz uma luz sobre os costumes, sobre as políticas das diversas épocas, da permissão, da repressão, dos aspectos sociais, psicológicos e religiosos que fazem a totalidade dos seres humanos. Por exemplo, nos seus primórdios, o cristianismo admitia a literatura erótica, que herdaram dos filósofos estóicos, e que nem a castidade dos clérigos os impediam de desenvolver escritos. As proibições do Vaticano, do Index e de outras censuras vieram muito depois. E, por certo, em matéria de puritanismo, a Reforma Protestante foi muito mais dura que o catolicismo.
Em modo ilustrativo, ou simplemente como "guia de leitura", citarei algumas obras significativas dentro do grande corpus da literatura erótica, porque inventariar sua totalidade ocuparia demasiado espaço: Aristófanes; Catulo e seus convites às mulheres de Lesbos; Ovídio com sua Ars Amatoria; o hiperbólico Satyricon de Petronio e o Asno de Ouro de Apuleyo; os trovadores; o Decamerón de Bocaccio; o genial Aretino; o cruel Rabelais, ávido por comida e de sexo; o sempre surpreendente Corneille; o erotismo oculto nos contos de Perrault; o moralista Marquês de Sade. Uma lista interminável de poetas tais como: Gautier, Baudelaire, Anais Nin, Aragon, Bataille, Dalí e Henry Miller. A fascinante Lolita de Nabakov. O japonês Yukio Mishima, que merece ocupar um lugar entre Wilde e Genet. E claro, sem esquecer do clássico Mil e Uma Noites. Mais. Os escritos de Apollinaire; Quevedo e a poesia erótica anônima do Século de Ouro. Na América Latina, alguns poemas de Neruda, as descrições dos corpos por Jorge Amado, o barroquismo de Severo Sarduy e o jogo erótico-lingüístico de Girodino. E porque não, Julio Cortázar.
Mas nem sempre a literatura erótica é com tal. Freqüentemente ela incorre, deliberadamente, na obscenidade e na pornografia, com intenções que transcedem tanto o erotismo como o nicho estético-literário. Se torna uma literatura instrumental em busca do comércio. O êxito de A História de O, na década de 70, que fracassou em sua primeira edição nos anos 50, pode ser encarado assim. O público norte-americano e europeu estava cansado da exacerbação do feminismo. Então, "A História de O" era uma resposta machista aos ideais feministas. Foi um sucesso...
As mulheres das letras só entraram no ramo muito mais tarde. Os belos poemas de Safo, por exemplo, são mais amorosos do que eróticos. Atribue-se à Astianassa, amiga de Helena de Tróia, um tratado sobre o erotismo. Porém, é muito pouco. A história da literatura está repleta de "autoras" inventadas por homens. O fenômeno pode se atribuído a uma obsessão tipicamente masculina e recorrente: o sonho da prostituta sábia. Uma mulher que sabe tudo e com a qual o autor pretende satisfazer imaginariamente seus desejos inexpurgáveis por definição, como a própria morte.
Em textos chamados eróticos, tanto autores como leitores, seguem buscando o mito triunfal do corpo condenado à derrota e à decrepitude. Como neste escrito de Maynard, poeta francês do Século 17, contemporâneo de Quevedo:
"Margot, olhe minha vara Ama, agora convidativa Que a manhã já chega e Acaba, com a vida. Quando a morte dura nos encontre, E de uma vez nos enterre No foso profundo, Adeus às volúpias amorosas, Que nunca as Escritura deram fatos Sobre foder em outro mundo. (tradução livre)"Em sua intrínsica ligação com o imaginário e com os desejos ocultos, tanto do corpo quanto da poética, a literatura erótica consegue transceder de seu plano meramente explícito e conduzir autores e leitores à uma jornada de descobertar e de idéias, muitas vezes impossíveis de se reproduzirem publicamente. E enquanto houver segredos, haverá o erotismo se incumbindo de dar vazão dos sonhos à vida real.
---------------------
A proposta:


Escreva um poema com elementos do erotismo contemporâneo.
Envie o poema finalizado para academiadodiscurso@gmail.com até o dia 06 de abril de 2011;


Boas inspirações!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oficina de Escrita Literária Online – Poesia

Oficina de Escrita Literária Online – Poesia INSPIRATURAS - Escrita Criativa - oferece aos interessados na produção de poemas uma oficina q...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...