Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

10 de mar de 2011

UMA QUASE BRICOLAGEM - Fase inicial - 1ª Rodada

Uma quase bricolagem
(À Joana)

Joana, mulher da lida
em raras manhãs de frio
usa sempre poucas roupas,
o que vem a ofender suas vizinhas.

Socraticamente obstinada
ela segue pela rua
para providenciar o café para seus filhos.

Joana é mãe das que o povo, mesmo hoje,
insiste em tachar, com carga perene
de pejorativa, de mãe solteira.

Alcunha da qual Joana, mulher inteligentíssima,
rir às soltas.
Joana teve marido, sim, fora casada,
num casamento, como os usuais hoje em dia, tácito,
mas Joana deixa expresso que nunca..., nunca casará de novo.

Joana tem vários amigos gays,
mas tem o homem que quiser
na cama que ela escolher.

Joana nem quer saber da vida de ninguém
a não ser, é claro, da vida de seus filhos:
Heitor, Marcos e Berenice.

No natal tem presentes:
boneca,
carrinho
e livros
pois “ler é importante nesta vida”,
diz Joana com carinho.

Joana trabalha em dois expedientes
e faz revoluções diárias
para manter seu lar.

Vive confrontando as
históricas circunstâncias que tentam fazer
da mulher que é
um ser secundário e subalterno.

Assim Joana constrói seu mundo,
um mundo que é mais que seu,
ou de qualquer homem no mundo.

E contribui anonimamente para
a elevação de seu gênero
 humano.

Autor 11:  Melquíades

Um comentário:

  1. Comentários negativos: Queria ter lido mais sobre esta Musa.

    Comentários positivos: A escolha do título é um toque sensato, vez que foge da trivialidade de menção á Marias, Amélias, etc.. Joana foi de boa sofisticação. A menção a Sócrates já salvaria o poema, mas ali ele encontra uma verve poderosa e mantém o leitor em estado cativante, buscando saber mais sobre àquela singular Joana. A personagem foi devidamente explorada em liames contemporâneos e requintes de quem domina a linguagem sem fazer-se insolente ou rebuscado ao extremo. Confesso que particularmente não gosto de poesias sem rima, mas esta trouxe-me tamanho encantamento que não deveria nada às escritas no parnaso. Quantas Joanas por aí não ficariam entusiasmadas ao receber um poema tão requintado e elegante acompanhado de uma rosa (ainda que com espinhos próprios aos do cotidiano que enfrentam na sua nada mole vida?). As quebras na estrutura foram lançadas na medida certa, essa poesia é uma aula gratuita.

    Nota: 5

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...