Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

28 de abr de 2011

O DEVER DE ACREDITAR - 8ª rodada - etapa final

O DEVER DE ACREDITAR

Galeano, meu amigo,
Permita-me a intimidade
Já que nossa latinidade
Pode servir-nos de abrigo
E por sermos sonhadores
Proponho sermos autores
Das utopias mais loucas
Já que certezas são poucas.
 
Tenho também esse vício
De sonhar tempos mais sãos
Nas fímbrias do precipício
Agarro-me com etéreas mãos
Sonhando que a igualdade
Seja inerente à humanidade
Já que toda criança nascida
Vale igual perante a vida.

Sonho também que os jovens
Tenham prazer no estudo
E que jamais desaprovem
Seus mestres, que por descuido,
Os julguem desimportantes
Fazendo-os coadjuvantes
Na construção de novos dias
Onde só haja razão na alegria.

Espero viver o bastante
Para ver a natureza refeita
Num renascer constante
Numa harmonia estreita
Entre ela e o progresso
E que o respeito seja o acesso
À qualidade da vida de todos
Do homem, da lagosta, do lobo...

Que as ruas sejam sempre
Quintais seguros e floridos
Onde se brinque contente
Onde não existam bandidos
Pois que sendo todos iguais
Nada ou ninguém pode mais
E nenhum precisará roubar
Tendo o suficiente em seu lar.

Nada preciso acrescentar
Ao seu amplo rol de fantasias
Apenas quero aqui lembrar
Que uma delas foi profecia
Pois que hoje uma mulher
É do Brasil a presidente
E outras virão, certamente,
Presidindo o que bem quiser.


Posso lhe assegurar sem medo
Que novas profecias virão à luz
Onde mais tarde ou mais cedo
A esperança que ora nos seduz
Será o caminho viável no futuro
E a nossa herança este augúrio.


Alinhavando este sonho hodierno,
Receba aí o meu abraço fraterno.

Vixe!Verso!

8 comentários:

  1. Fiquei emocionada ao ler e reler várias vezes esse estupendo poema.

    Parabéns, e obrigada, pelo lindo momento que me proporcionou.

    Estou encantada com a beleza do teu coração.

    ResponderExcluir
  2. Na última rodada, cada poema receberá três notas, uma de cada jurado, e prevalecerá a média como nota final da última rodada.

    ResponderExcluir
  3. Comentário 2: Título: O dever de acreditar. Autor: Vixe!Verso!

    Nota 5! Na minha opinião o autor atendeu ao pedido dos mediadores da oficina com mestria. Vê-se de fato um diálogo com Galeano; digo, com o texto de Galeano. Os versos são inteligentes, as idéias bem associadas, o ritmo cativante. O título expressa bem o conjunto da obra. Felicitações! Gostei muito.
    Luciana Del Nero.

    ResponderExcluir
  4. Foi um diálogo emocionante, coisas que eu gostaria muito de ver acontecendo hoje foram ditas de forma simples, singelas quase, com uma suavidade que encanta o leitor. Muito bom.
    Esperava mais lirismo, mais imagens, ficou real demais, tocou também assim.

    Nota: 4,0

    Dhênova

    ResponderExcluir
  5. Um belo bate-papo com Galeano, com personalidade e intimidade.
    Rimas ricas e bem colocadas, sonoridade impecável... tudo na medida certa.
    Note que a obra desvinculada desse contexto (a oficina) perde em identidade com a intertextualidade, já que o poema ficou muito agregado à proposta.
    nota 4,2

    wasil sacharuk

    ResponderExcluir
  6. Abraço e parabéns pela maravilhosa participação.

    wasil sacharuk

    ResponderExcluir
  7. Parabéns, Vixe, fiquei feliz demais em saber que alguém que respeito tanto, que já me comoveu em várias situações com as suas belas letras, que me toca fácil o coração, alguém que acho muito talentosa tenha ganho o concurso. Grande abraço, querida.

    Abraço carinhoso também aos poetas que participaram da oficina, parabenizo-os pela qualidade de cada obra postada.

    Não sou nem tenho a pretensão de ser crítica literária, muito menos dona da verdade, acho um saco isso, acredito que cada um tenha sua opinião, impingir a minha aos outros é triste, chato e descabido num ambiente literário, então procuro sempre deixar claro que é a 'minha' opinião, que quando leio um poema, orientada pela proposta, preciso sentir a batida forte no peito, se não for assim, sinto, eu não 'vejo' poesia, não me diz nada. Quando isto acontece, busco na forma e na estrutura do poema o que gostei ou não. Foi assim que fiz quando propus as notas, levando em consideração, é claro, as regras padrão da Língua Portuguesa.

    Foi muito bom participar deste projeto, muito rico, aprendi muito com as leituras que fiz aqui, percebi que desvincular a pessoa do poema é essencial quando se quer opinar seriamente sobre poesia.
    Quando 'leio' um amigo, faço isto com o coração. Manter a sete chaves a identidade dos poetas foi, na minha opinião, uma grande sacada, e parabenizo o Sacharuk pelo feito. Também quero parabenizá-lo pela escolha dos temas, achei-as interessantes, bem trabalhadas, além de muito ricas, foi ótimo fazer parte.

    Estarei, é certo, na 2ª.

    ResponderExcluir
  8. Querida Dhênova, não há palavras suficientes para agradecer todo carinho, atenção e respeito que você sempre tem para comigo. Ter participado da primeira oficina foi um aprendizado riquissimo e estimulante; ter a nossa escrita avaliada por pessoas do gabarito que tivemos, realmente é motivo de grande orgulho e dividir espaço com poetas talentosos e inspirados e ao final, sair vitoriosa, foi algo até então impensável para mim.
    Agradeço muito tudo que você tem me dado.
    Beijo muito grande, poeta!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...