Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

15 de jun de 2011

2ª rodada - Então... calo.

Então... calo.

Peço-lhe a mão
para atravessar a ponte
arames farpados
perpassam o quarto
formando imagens

grito muda um 'não'
quando o vejo distante
olhar no chão
rosto delineado pela janela
forma ângulos estranhos
triângulos, em pequenos losangos

percebo a solidão
que o faz ser tão belo
penso em quanto o amo
venero
calo-me então
nego, gracejo, coopero...

invade-me seu falo novamente
unhas cravadas nas costas
mais rápido, quase indecente
goza em jatos, dentro,
com pressa, raiva
sinto medo, e calo...


frio na barriga, ventre exposto
você me olha, veste a roupa
abre a porta
deixa o metal na mesa
vai embora
eu fico presa
sem recomeço, apenas este:
ser sua puta, quando queiras.

Flor de Laranjeira

4 comentários:

  1. Comentário: Uau!!!

    Mas que beleza de poema! Pegou-me de primeira e não largou mais. Perfeito filme noir, leva a imaginar o como e o porquê, já que o cenário descrito é perfeito. Até o uso da palavra chula caiu como uma luva .

    Só colocaria maiúsculas no início de cada estrofe para demarcar melhor.

    Minha nota é 5,0, sem qualquer titubeio.



    Marisa Schmidt

    ResponderExcluir
  2. Flor de Laranjeira!

    UAU!

    Até me engasguei ao ler teu poema!

    Belíssimo! Eu diria é minha praia...

    Amei..."Percebo a solidão que o faz tão belo"

    Parabéns.

    Regina cnl

    ResponderExcluir
  3. "Flor de Laranjeira", gostei do título, gostei do ritmo empregado, as imagens vão povoando a mente do leitor naturalmente. Não gosto de palavras como 'falo' em poesia, acho que é preciso saber usá-las para que não fiquem vulgares, mas neste caso foi muito bem usada, não havendo nenhuma ruptura na leitura. Parabéns, fiquei com calor aqui rsrs... Um bom poema, apenas faria uma revisão quanto à pontuação, há um excesso que não chega a prejudicar muito mas que poderia ser suprimido. Nota: 4,5.

    ResponderExcluir
  4. Um poema perfeito. Daqueles que se lê e não se esquece. Grande domínio da liberdade na poesia. Difícil encontrar um ponto crítico.

    nota 5 exprime bem minhas impressões.

    wasil sacharuk

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...