Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

7 de jul de 2011

5ª rodada – Varal do tempo

Varal do tempo

Deixe que o tempo navegue em nós
seus poéticos remos,
sua voz de pássaro preso em relógios.

Leve-o em tecetura de versos mecânicos,
na fluidez dos anos
e suas águas sanativas escoando nossas dores,
lavando nossos olhos em perenes orvalhos.

Permita que o tempo nos molde por dentro,
cinja nossos corpos e almas em mutantes sonhos
e, nos varais ao vento, seremos humanas colchas de retalhos
acenando nossos melhores trajes
de floridas alegrias e perfumadas esperanças.


                                                                                   A Voz do Vento

6 comentários:

  1. O “Varal do tempo” é belo e lírico. A leitura flui de forma leve e agradável; as palavras, bem escolhidas, remetem o leitor a um clima intimista.

    Porém,(fazer o quê, há um porém!) o autor falhou na revisão e aparece uma tecetura que acaba tirando o brilho do poema tão bem feitinho...Seria tessitura ou tecedura de “versos mecânicos”. Pena...

    Minha nota é 3,5

    Marisa Schmidt

    ResponderExcluir
  2. Um vislumbre belo e otimista do tempo. Realmente um lindo poema. Para mim, faltou outro nível de envolvimento. Ficou tanto acadêmico. Talvez seu pecado seja a perfeição da construção formal (exceto em "tecetura") ao ponto de distanciar a obra do escritor. Assim, o poema ofecere um panorama tanto previsível, mas calcado numa forma perfeita e lírica.

    Nota quatro

    wasil sacharuk

    ResponderExcluir
  3. Adorei o título, e esta imagem ganhou a leitura:

    "nos varais ao vento, seremos humanas colchas de retalhos"

    gostei muito da sonoridade também... acredito que apesar da grafia equivocada de 'tecetura', o poema não perde o seu valor por isso.

    Revisaria apenas alguns adjetivos que podem tornar o poema - tão imagético - lugar comum.

    Nota: 4,5

    ResponderExcluir
  4. Como leitora, devo dizer que o poema "Varal do tempo" me encantou. Parabéns ao autor pela excepcional escolhas de imagens e palavras!
    Pena que,por alguns desconhecerem o significado da palavra TECETURA,sua nota ficou prejudicada.
    Em tempo, alguns links onde escritores de diversas áreas utilizam a palavra TECETURA:
    http://www.igt.psc.br/ojs2/index.php/cengtb/article/view/189/429
    http://assimfaliu.blogspot.com/2010/08/o-que-e-um-buraco-negro.html
    http://femininosagrado.blogspot.com/2006/12/movimento-de-tecetura_17.html
    Espero ter esclarecido qualquer dúvida. Afinal, como disse a monja Coen "Vivemos nesta teia de inter-relacionamentos. Somos a tecetura."
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  5. A Voz do Vento

    Como leitora analiso simplesmente a alma do poema.

    Tecetura nada mais é que o TECER dos versos que são levados pelo vento!

    Adorei teu poema." E, permita que o tempo nos molde por dentro. acenando nossos melhores trajes de floridas alegrias e perfumadas esperanças".

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. A palavra “tecetura” existe? Desconhecendo-a, busquei-a no dicionário. Sem conseguir encontrá-la, fiquei pensativa se não se trataria de “tessitura”. Depois continuei pensando e conclui que um poema que traz palavras rebuscadas demais ou difíceis de serem absorvidas pelo leitor é um poema pouco maduro. Além disso, a construção é de um lirismo quase barroco. Excessivamente rebuscada para o meu gosto. Nota: 3. Luciana Del Nero.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...