Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

16 de out de 2011

3ªOficina - 2ªrodada - Contra a corrente


Contra a corrente

Eu que não sou moderno
Nem sou mordomo,
Apenas o dono
De preguiça infindável
Compreendo o tema
E me prendo nas travas
De versos vazios
De compreensão.

Meu libelo, livre e liberto
Arrefece ancorado no medo
Sou eu o covarde
Medíocre serpente
A arrastar-se na sombra
Contraditória
Esgarçando-me no frontispício
Da memória

Oh céus!
Oh vida louca!
Arrebatamento que me envolve.
Rompante de loucura e medo.

O que diz em mim
O que me comove
O que me circunda
E se alastra em meu intimo
Nada mais que o silêncio
Nada mais que o desejo
De permanecer calado
À sombra da noite

Oh céus esparsos!
Sou eu o covarde!
Rasgando o véu
Que encobre meu mundo!
Contrafeito
Aos homens ousados
de boa vontade.

Tangerina Urbana

3 comentários:

  1. Contra a corrente mostra um fluxo de consciência interessante. E como tal, pode-se esperar singularidades quanto à exploração do conteúdo e do léxico. Entretanto, não capturei a função semântica de "moderno" e "mordomo". Talvez se respalde em alguma intertextualidade ou referência mental que não alcanço.
    De resto, o poema se assegura num bom estilo, boas escolhas e, o que mais gosto, no ritmo.
    Loucura e medo sempre servem bem a um solilóquio.
    É um bom poema.

    Nota 4,0

    Wasil Sacharuk

    Eu que não sou moderno
    Nem sou mordomo,
    Apenas o dono
    De preguiça infindável
    Compreendo o tema
    E me prendo nas travas
    De versos vazios
    De compreensão.

    Meu libelo, livre e liberto
    Arrefece ancorado no medo
    Sou eu o covarde
    Medíocre serpente
    A arrastar-se na sombra
    Contraditória
    Esgarçando-me no frontispício
    Da memória

    Oh céus!
    Oh vida louca!
    Arrebatamento que me envolve.
    Rompante de loucura e medo.

    O que diz em mim
    O que me comove
    O que me circunda
    E se alastra em meu intimo
    Nada mais que o silêncio
    Nada mais que o desejo
    De permanecer calado
    À sombra da noite

    Oh céus esparsos!
    Sou eu o covarde!
    Rasgando o véu
    Que encobre meu mundo!
    Contrafeito
    Aos homens ousados
    de boa vontade.

    Tangerina Urbana

    ResponderExcluir
  2. Se entendi direito, os dois primeiros versos fazem contrapeso para a singularidade do narrador

    moderno=liberal
    mordomo=servir

    Baseado, do começo ao fim, na apresentação de sua diferenças com o mundo ao redor, o autor recheio seu poema com cores de loucura e um ritmado silêncio íntimo, apoio aos seus medos.

    O resultado é um poema agradável, aprazível aos olhos.

    Nota 4,5

    Rogério Germani

    ResponderExcluir
  3. Bom trabalho, digo que pronto, singular fugaz ao condicional onde assume sua bela postura.

    Nota 5,0

    ResponderExcluir

Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...