Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

23 de out de 2011

3ªOficina - 3ªrodada - Na rua


Na rua

Você perdido
vício no lixo
da vida
que nada dá

Sinal fechado
olhar  vidrado
na fantasia
do que não há

Pessoa nenhuma
socorre você.
Qual a saída?
Crer no PT?

Impiedosa
a cidade
pra você é nua
meu pobre menino de rua!

Poema Paixão

4 comentários:

  1. Direto no foco, o poema "Na rua" traz as verdades do povo.

    Com ritmo cadenciado e rápido- lembrou-me rap- é um soco em nossa realidade; soco dos bons, diga-se de passagem.

    Confesso que, em matéria de partidos políticos, sou ateu. Por isso, achei desnecessário a citação de um bode expiatório nesta temática.

    No todo, poema muito bom.

    nota:4,00

    Rogério Germani

    ResponderExcluir
  2. No início, segundo verso, me deparo com confusa expressão, onde o auxilio de conjunção de modos, ou preposição daria base de sustentação.
    Clareza de quem se trata, boa sonoridade, ricas rimas.

    Nota 4,5

    ResponderExcluir
  3. Na rua é um poema bem gostoso de ler, a despeito do triste retrato social que aborda.

    As rimas são naturais e toantes, bem acomodadas no contexto.

    Quando citamos algum nome, afastamos o contexto do genérico e aproximamos do particular. Nesse caso, há uma incoerência semântica que não encontra suporte na realidade sociopolítica: um menino da rua não crê no PT, pois raramente tem consciência política ou é eleitor. No máximo, ele aproveita do paternalismo eleitoreiro que o partido promove no governo.
    Ainda assim, gostei do poema.

    Nota 4,0

    Wasil Sacharuk

    ResponderExcluir
  4. Considerações:
    “Na Rua” se coaduna com a temática, mas acho-o desprovido de brilho, a começar pelo título, pois, a meu ver, esta tem que ser a primeira centelha de encanto de um poema; e mais: “que nada dá” (Que nadadá; Quena dadá...) é uma construção extremamente inadequada.
    Nota: 2,3

    Mailton Rangel

    ResponderExcluir

Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...