Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

23 de out de 2011

3ªOficina - 3ªrodada - Sorte Grande


SORTE GRANDE
                         
E agora, João?
              parabéns!
arrumou um emprego também...
mas o Outro não.

E agora, João?
              primeiro pagamento
o prato cheio de contentamento
ou será um pouco de feijão?

Tanto faz, João, tanto faz
porque agora João deita em paz...
mas o Outro não.

E agora, João?
E agora João
               não ganha tanto
que possa ser feliz,
como outrora quis,
em dividir o pão.

Ah, João está rindo à toa,
                                claro;
    impossível condená-lo.
Agora João doa
não recebe mais
mas tanto faz
como tanto fez
João tirou a sorte grande:
está escrito e alinhavado em sua tez
alinhavado não costurado
porque agora o João exibe
arroz com feijão e bife
ovo frito
       frita batata
               batata que sobra vai na sopa de macarrão
João tem dignidade agora e nem chora
Arrumou um emprego agora, o João...
Ah! Mas o Outro não...

Tom Alguma Coisa

4 comentários:

  1. O autor do poema "Sorte Grande" foi feliz na intertextualidade com o poema de Drummond, "E agora, José".
    Tanto João quanto José são meros "Zé-ninguéns" no panorama social de nosso país. Só que, neste poema, o João apresentava tem suas vantagens: sua sorte grande arranjou-lhe emprego.

    A estética solta do poema agradou-me muito; permite comparação com as trilhas diárias da personagem em busca de felicidade simples.

    O ritmo fluído foi bem elaborado; inclusive nas repetições de "E agora,João..." ouve-se os ecos da miséria coletiva indo na dança mercantilista.

    Parabéns!

    nota 5,0

    ResponderExcluir
  2. Nos lembra os cantos de Drumomm, fato que não desabona a obra, coseguindo o autor sua singulridade e objetivos.
    Termos: alinhavado e batata, repetidos com oportuna responsábilidade.

    Nota: 4,5

    ResponderExcluir
  3. Drummond não faria melhor do que meramente inspirá-lo. Não gosto de ler Drummond, mas gostei do seu João.

    Estética fluida, bom foco, humor crítico... um banho

    muito bom

    5,0

    Wasil Sacharuk

    ResponderExcluir
  4. Consideraçães:
    “Sorte Grande”: Uma analogia ao poema ‘José’, de Drummond?... Nada contra!
    A reflexão o enquadra como um texto de cunho social e o mote é até bom. Porém, ele poderia muito bem se desenvolver sem a repetição massiva de termos e provocações, especialmente porque essa dinâmica, no caso em tela, não dá ao poema o vigor provavelmente pretendido.
    Obs.: Mirabolâncias de diagramação e estrutura, por si só, não constroem a agradabilidade.
    Nota: 3,0

    Mailton Rangel

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...