Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

6 de dez de 2011

O tempo escorre


O tempo escorre


O tempo ainda escorre
Não adianta espernear,
Gritar ou se rebelar.
Com ou sem consentimento
Incauto e alheio continua
O percorrer o seu caminho

O tempo ainda escorre
Quando ficamos olhando
Para traz, tentando remediar
O que não pode ser remediado
E assim vão se confundindo
Os tempos, os sentimentos
E a percepção de eternidade
Que não passa de um folclore
A rondar o nosso pensamento.

O tempo verte e a alma verve
A vida escorre em nossas veias
Como uma arranha que tece
A sua teia, laça, enlaça em acasos
Aos quais chamamos de destino...

Mas é o tal destino,
Apenas um acaso preso
Numa percepção humana
Uma invenção de um poder
Supremo e divino para suprir
O medo da certeza do abandono
E da morte que nos é certa.

Serenamente observa a vida
E veja que ela passa simplesmente,
Com ou sem percalços,
Por destinos ou por acasos
Apenas passa se desenhando
Em percepções, se encaixando
Emoções, desafiando as razões
Se na realidade a eternidade
É apenas o hoje e as coisas
Que podemos brindar...

O que está além do hoje
Já não nos pertence
O controle, ou o pensamento,
Apenas o que nos pertence
É o momento, o aqui agora,
Na realidade a real eternidade
São os bons momentos
Que estamos a gravar em nós
E em quem amamos
A eternidade das boas memórias...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

encontre a Casa do poeta Inspiraturas: