Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

6 de dez de 2011

Sombras, nada mais.




Aqui, diante
De meus olhos,
Já não há abrigo,
Pra tanta escuridão.

Aparentemente
Não há nada
De diferente
Entre nossos olhos,
Somente um murro
De promessas
De frases sem nexo.

Há uma luz
Incoerente
Iluminando
Os teus lábios,
Uma mancha
De batom rasgando
A imensidão...

Não há nada
De concreto
Nesta escuridão,
Apenas o abismo,
“A luz da percepção”


Toda luz se divide
Toda luz se separa,

Na verdade sombras,
São apenas sombra,
Irreais, só um lugar
Onde a luz não alcança.

Sombras, são só sombras
Varrendo a escuridão
De nossa percepção...

Há tempo
Há uma sombra
Que paira
Os nossos olhos

Tudo que se ilumina
Um dia se apaga,
E toda luz, um dia
Volta a ser sombra,

Apenas sombra...
Um resquício,
Um vestígio,
Uma memória...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

encontre a Casa do poeta Inspiraturas: