Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

29 de nov de 2013

Que tal amarelinha no chão do céu ?

Hoje foi um daqueles dias que se corre para todos os lados. Viramos atletas olímpicos. Pressa. Imprevistos. E trabalho. Muito trabalho (ainda bem). Saí do primeiro que dura o dia inteiro e vai pra mais um (aquele extrazinho), sempre correndo, o trajeto, a condução, o outro trajeto, por fim chega-se e noto que só as horas não tem pressa... Findaram os grãos da ampulheta. Apressadamente se foge, na mente: o banho, o gato sumido, o remédio... Carona ajudou até metade do percurso, depois ônibus que, também, não tem pressa alguma. Tem momentos que a mente chega primeiro que os dedos dos pés. Parada!!! Corre-se pela Avenida, aproveitar o sinal fechado (3,2,1,0), agora a rampa do Hospital, falta pouco, a moradia fica logo atrás. Algo inusitado... Subida a Céu-aberto, e que Céu, nuvens poucas, estrelas muitas, essa beleza não cabe no segundo, pairou a Lua dentro da retina. Magia! Recompensa! Cada passo nos segundos abstratos, risquei uma amarelinha no firmamento, um planeta para pedrinha, versos para saltar, pode-se ver o mundo ao contrário, de ponta a cabeça, nenhum físico pensaria na tal "gravidade", apenas uma poesia para um minuto de felicidade. Em casa. Em paz. Tudo terminou bem demais.
 BiaCunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

encontre a Casa do poeta Inspiraturas: