Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

Oficina de Escrita Literária - POESIA - on line

Untitled-1
Despertar poesia - Inspiraturas
vivências de poesia para iniciantes e amadores
com ênfase na escritura de poemas
exercícios lúdicos e práticas de escrita criativa
subsídios teóricos para a produção de poemas autorais
incentivo à troca de experiências, impressões e sugestões
acompanhamento da produção e dos resultados
Às segundas-feiras, 19:30h até 22h na Casa do Poeta Inspiraturas - Pelotas RS
início em junho. Apenas oito vagas - 70$mês
www.inspiraturas.com
whatsapp 53991212552
oficinainspiraturas@gmail.com

4 de mai de 2017

João Da Cunha Vargas (1900 – 1980)

João Da Cunha Vargas (1900 – 1980)

JOÃO-DA-CUNHA-VARGAS-150x150

Hoje parece impossível falar em João da Cunha Vargas sem citar ou pelo menos lembrar de Vitor Ramil. Isso porque Alegrete e Pelotas se uniram em forma de milonga desde o final dos anos 90, quando Ramil começou a musicar poemas de Vargas. Falando um pouco sobre os dois: Vitor, pelotense, músico, templadista, gaúcho, admirador. E, João, alegretense, poeta, peão de estância, gaúcho, vivenciador.

O músico coloca o poeta em mesmo nível do português Fernando Pessoa e do argentino Jorge Luis Borges, expondo-o a ouvidos cujos olhos ainda não o conheciam. Ramil fez a maior divulgação de Vargas, que teve apenas um livro lançado após a sua morte. O poeta se considerava xucro para livros, assumia não ter ido além do aprendizado das primeiras letras. Assim, seus versos foram forjados e guardados em sua mente durante as suas tarefas de campo. Após acabava ditando-os a familiares e outros ele mesmo declamou em gravações.

É impossível não considerar a pureza dos versos de João da Cunha Vargas quando estes não foram poluídos por contextos morais e pela intelectualização. Quem se encontra com o poeta em forma de versos encontra-se com o folclore límpido e homogêneo. Em versos que saúdam a localidade de Mariano Pinto, em Alegrete, até em passagens sobre suas crenças, João nos faz sentir o que é o ser regional, e isto já basta.

Luiz P.Milani

https://criteriosamente.wordpress.com/2013/06/19/joao-da-cunha-vargas/

Nenhum comentário:

Postar um comentário