Queremos o fim da página em branco. No projeto Inspiraturas, exploramos estímulos muito diversificados que têm no grupo a base fundamental. Daí, podemos treinar e desenvolver uma escrita mais sensível, espontânea e livre. Uma forma lúdica de derramar as palavras ainda não escritas.

18 de jul de 2017

Verbos Abundantes, por Jorge Moraes

VERBOS ABUNDANTES

Por certo, muitas vezes, hesitamos no emprego de alguns verbos considerados abundantes, ou seja, que apresentam particípio duplo (particípio passado), tendo duas formas equivalentes, uma regular e outra irregular. O particípio, juntamente com o infinitivo e o gerúndio, é uma das chamadas formas nominais do verbo. E assim o é por não apresentar desinência modo-temporal ou número-pessoal. Reserva-se o uso a todas as pessoas, flexionando-se em gênero e número. Assemelha-se mais com um adjetivo do que com um verbo, razão para ser chamado de forma nominal.

O uso, conforme se constata, ainda que ao domínio e à força de vertentes gramaticais e linguísticas, maciçamente consagrou a forma irregular. E a tantos foi, é e será, mesmo infringindo procedimentos normativos. Vez por outra, o bom senso e a eufonia nos conduzem, automaticamente, a formas corretas. Vejamos: usemos os verbos auxiliares – ser/estar – ter/haver. ‘A galinha foi morta. (por algo ou alguém) – passiva.’ , ‘A galinha está morta (fria, inerte) – estado: adjetivo.’, ‘Eles haviam matado a galinha.’, ‘Eles tinham matado a galinha.’ Nota-se o uso do particípio irregular (o menor) com os auxiliares ser e estar e o emprego do particípio regular (o maior) com os verbos ter e haver. São consideradas, também, como formas sintética a (menor) e analítica a (maior).

O particípio irregular termina, habitualmente, em –to ou –so e tem sua origem na língua latina ou em um substantivo que passou a ser empregado como verbo, preferencialmente na voz passiva.

Entretanto, ao empregarmos o verbo pagar, percebe-se quebra no preconizado. Vamos encontrar ‘A conta foi paga. (por alguém) – passiva’ , ‘A conta está paga (ressarcida) – estado: adjetivo.’ Deveríamos consignar: ‘Eles tinham pagado a conta.’, ‘Eles haviam pagado a conta.’ É óbvio que somente os puristas , e olhe lá, valer-se-ão do fundamento gramatical. E, por decorrência do vacilo, teremos: ‘Eles tinham pago a conta’. ‘Eles haviam pago a conta’.

Quem, salvo os doutos, ao conjugar o verbo ‘eleger’, chegariam a: ‘Eles tinham elegido seus candidatos.’ ,’ Eles haviam elegido seus candidatos.’? Diremos, por força do hábito e da eufonia, ainda que incorretos, ‘Eles tinham eleito seus candidatos.’, ‘Eles haviam eleito seus candidatos’. O contrário igualmente se observa: ‘Ele foi incluso na lista dos pretendentes.’, ‘Ele está incluso na lista dos pretendentes’. É indiscutível que usaremos ‘Ele foi incluído na lista dos candidatos.’ , ‘Ele está incluído na lista dos candidatos.’ ‘Tinham-no incluído na lista dos candidatos.’ ,’Haviam-no incluído na lista dos candidatos.’ Embora seja verbo abundante, não se o emprega como tal.

Uma gama considerável de verbos situam-se na mesma situação, ou seja, predomina a eufonia e o hábito sobre a correção. Permitam-nos abordar, ainda, o verbo imprimir. Deveremos ter: ‘Os documentos estão impressos. (estado: adjetivo)’, ‘Os diplomas já foram impressos (por alguém) passiva.‘, Seria correto ‘Tinham (eles ou elas) imprimido os documentos.’,’ Haviam (eles ou elas) imprimido as faturas. Contudo, emprega-se, por força do bom som, a forma sintética impresso/a/os/as.

Enfatizemos que os verbos abundantes possuem, para o particípio, duas formas equivalentes. A irregular só será verbo quando tivermos ‘ação’, do contrário, teremos ‘estado’, por consequência, adjetivo.

O verbo ‘benzer’, dispõe dos particípios bento forma irregular, e benzido como forma regular. Destarte, o recomendável será: ‘Este pão foi bento (alguém o benzeu) ’, ’ Este pão está bento. (abençoado) – estado: adjetivo.’, ‘ Tinham (eles ou elas) benzido o pão. , ‘Haviam (eles ou elas) benzido o pão.’ Ainda que as duas formas do particípio devam ser equivalentes, quando a referência é pertinente à gasolina, uísque, vinho ou produtos que foram adulterados, o ‘benzer’ perde a santificação.

Também merecem consideração os verbos ‘suspender’ e acender. Vejamos: ‘Face ao mau comportamento, foram suspensos’. ‘ Sem que soubessem, estavam suspensos das atividades’. ‘Tendo em vista a saúde do artista, haviam suspendido o espetáculo’ . ’Nem bem tinham suspendido a reunião, e o temporal chegou avassalador’. ‘O fogo foi aceso’, ‘O fogo está aceso’. ‘Eles haviam acendido o fogo’. ‘Eles tinham acendido o fogo’.

Especial carinho com alguns verbos que não são abundantes, consequentemente apresentam somente uma forma e apenas são conjugados com os auxiliares ter/haver. Verbo ‘escapulir’. ‘Num vacilo e haviam escapulido. ‘Mesmo aos vigilantes cuidados, tinham escapulido’.

Conforme se vislumbra, o repertório é expressivo e copioso. Por ora, em se evitando a fadiga, fiquemos, por derradeiro, com o verbo fritar. ‘Os pastéis foram fritos.’, Não se apressem, pois a carne está frita.’, ‘Os cozinheiros haviam fritado, bem cedo, os pastéis’. ‘Sem motivo, os veteranos tinham ‘fritado’ os jovens calouros.’ (mudança de sentido).

Alguns autores contemporâneos registram que este ou aquele cientista ou escritor, nascido na cidade de ..., no ano...’morto’ em... Mesmo que não apareça verbo auxiliar, está implícito ser ou estar. Ora, é inviável e despropositado ‘está morto’. Não sendo ‘está’, resta-nos ‘foi morto’. Se o foi, alguém ou alguma coisa o matou. Não ocorrendo, para evitar eventuais ambiguidades, o registro deverá ser ‘morreu’.

Esperando ter contribuído, somos gratos; uma vez que outros ‘houveram-se agradecidos’.

Jorge Moraes - julho de 2017 - jorgemoraes_pel@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oficina de escrita literária Inspiraturas, em Pelotas

Oficina de escrita literária Inspiraturas - o fim da página em branco - A ti, que ainda acreditas na escrita, em especial a Poesia, como ...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...